No principio era o Verbo, a Palavra...

Ela, a Palavra, traz a realidade coisas inexistentes, é da palavra

 A origem

das coisas, dos seres, dos pensamentos e de mim mesmo...

De mim, dou origem a alguns versos, frases, palavras, poesias...

Da primeira fala faz-se um poeta, e da primeira poesia faz se um universo...





Eis abaixo minhas primeiras palavras, ainda envolvidas com a imaturidade de quem acaba de nascer... Nasce aqui, da palavra, o Poeta!

 

 

 

 

AMOR     DESPERDIÇADO

 

Lágrimas brilham na face

Escondidas com sentimentos pobres,

Pureza na fala mansa e inquieta

Retrata a falta do que é nobre.

 

Frases furtadas de sua atenção,

Toques em um intangível coração,

E um falar de verdadeiros pensares

São insignificantes tratados por teus olhares.

 

Tuas palavras doces me trouxeram estrago.

Meus ilustres devotos desperdiçados

E subjugados a teu fogo de amor

Que apaga-se em minha constante dor.

 

A noite sem sua voz é solitária,

Sem teu olhar é sem brilho,

Nenhum atrativo ao meu cansado coração.

Só assim descanso...

Durmo...

Enfim sonho.

A irrealidade do sonhar é mais bela que do teu amor

A ilusão

 

 

 

 

 

 

          JONATHAS CARVALHO

 

 

 

 

Nos tempos de escola não se tem muito sobre o que falar, fala-se do nada pro nada...

 

 

 

CONVERSA TRIVIAL

 

Pessoas ativas, palavras lentas

Conversa fácil, língua amena.

Rostos ansiosos, dizeres passivos

Prosa pausada, fala-se o explícito

 

Convenhamos,

Paramos,

Pensamos,

Arrastamos assuntos

Releva-se o mundo

 

Não complica-se explica-se

O grupo é unanime

O tempo se passa a esmo.

Pausas intertíscias a pensamentos infames

Agora se revela na mais brilhante

Filosofia do pausar

É...

Hã...

Hum...

  

 

 JONATHAS CARVALHO

 

 

 

 

 

 

 

 

[ ver mensagens anteriores ]